Mãos

Ninguém lembra da  primeira carícia que recebemos ao chegar a este mundo, a carícia de umas enternecidas mãos acesas de amor. Não sabemos quando, mas, chegado o momento, certamente desejaremos umas mãos amigas, as últimas que sentiremos, pegando a nossa mão para nos dizer adeus, para nos dizer que não estamos sós.  (Antonio Portanet)